sábado, outubro 29, 2005

 

Fechar a Porta/Voltar a Fumar

.
Caros Leitores do Pombo Incontinente,

Certamente terão notado que este espaço anda um pouco parado, ultimamente. Tal deve-se a um novo projecto em que o autor deste blogue entrou, numa joint-venture com a autora do Vor V Zakone, o autor de Óculos Verdes Para Ver de Perto e o autor de Nem Aqui Nem Ali.

O novo blogue chama-se Fechar a Porta/Voltar a Fumar, e tem um estilo totalmente diferente do Pombo Incontinente. Vale a pena descubri-lo!
Desde logo, que outro blogue é que vos saúda com a imagem de uma moça masturbando-se com "O Castelo" de Kafka sobre a coxa?

Ah, naturalmente que o Pombo Incontinente continuará a existir, continuando a ser actualizado com a maior regularidade possível!



Nota: Não irão encontrar posts assinados pelo Pombo, pois decidi adoptar um outro alter-ego, que certamente descobrirão com alguma facilidade.

|

quinta-feira, outubro 27, 2005

 

O desporto sai à rua

.
Saía no outro dia do Lisboa Ginásio Clube, na zona dos Anjos, à Avenida Almirante Reis, e dei comigo a pensar quão sortudo sou: não há como ter treinos de judo naquela zona de Lisboa que terminam para lá das 10 da noite - o local é tão bem frequentado que nunca se sabe ao certo se será ou não preciso fazer uma revisão da matéria dada e aplicar as técnicas aprendidas, logo a seguir à aula, no caminho para a estação de metro.

Devia até pagar mais de mensalidade pelo extra pedagógico que o ambiente da zona proporciona!

|

domingo, outubro 23, 2005

 

Resposta às críticas de Mr. Lazlo à primeira Conferência do Pombo Incontinente

.
In regard to Mr. Victor Lazlo’s objections to some of the opinions concerning “Oporto Connection Betas” which we put forward in our last lecture, I must say that I share some of his concerns that the sexual-uptightness reputation borne by the Beta Females from Oporto might prevent our Lisbon homeboys from even trying, thus missing golden opportunities to endulge in the everlasting joys of sheer lust.
Speaking in general terms, if I were in a disco (a.k.a. the dominant male’s hunting ground) and spotted two potential preys, one of them being a typical Cascais beta and the other an Oporto import, I would go for the first one.

We should not relinquish the Holy Grail just because it cannot be bought at Ikea, Mr. Lazlo, BUT if said Grail could only be obtained by mud-wrestling a 200-kilo female bus driver because it’s the last one on sale at Ikea, I would most definitely give it a second thought.
Anyway, I doubt that the term of comparison is a valid one: the Holy Grail and Beta Women?? One is the essence of all things that are good and pleasant in this life and the next one, and the other is just a phoney gold cup!

But every rule has its exceptions. Although your typical Oporto Beta will not generally rank as high on sexual bravery as she does on the looks and style department, that is a cultural block, not a genetical one. This means that if you somehow manage to make them forget about their conservative education (Mr. Lazlo suggests the adding of an alcoholic solution, and although this is not the best way to do it if you are over-concerned about fair-play, it has proven to work fairly well throughout many centuries), you might be in for a rather pleasant surprise! It is difficult, not impossible! And it requires a certain level of expertise, which takes time—most of which you could spend seriously scoring with some other tribes women.

They can be quite wicked, but will only open up to real connoisseurs. It’s up to each man to decide wether they are up for the challenge.
Oh, and I have always heard that the Oporto female swears and curses a lot during climax. That must be quite a treat, unless you still think that a lady shouldn’t curse!

|

sexta-feira, outubro 21, 2005

 

How the dating and sex scene works in corporate Lisbon (ou O Post Mais Sexista de Sempre)

.
Conferência do Pombo Incontinente na Universidade de Harvard, Montana:

I have been asked to explain my theories on how the dating/shagging scene works in corporate Lisbon. I must warn you beforehand that Portuguese women generally tend to suck in the horizontal department. And mind you, I don’t mean “suck” as per oral intercourse, which many still regard as something that only some more sleazy hookers do (as well as wearing a G-string, etc.). They are also very keen on stupid rituals and all that subtle-seduction nonsense in the hope of not being regarded as too slutty, etc etc.

Throughout my years in college I have conducted extensive research on this matter, which I still carry on. I have thus concluded that there are 3 tribes within the Young Professional and Well Educated Female (YPWEFs) group:

1.The so-called Beta tribe;
2.The Suburban Female tribe;
3.The Country Girls Tribe.

Note that the difference between those three categories is not necessarily based on wealth or income, but rather on behaviour and thought patterns, notably concerning sex.
During today’s lesson, we will essentially go through the first tribe, leaving the others aside to our next lecture.

THE BETA TRIBE

Beta females (from the Portuguese “betas”) are the Portuguese equivalent to female Mayfair WASPs in America.
If you wonder around Avenida da Liberdade during lunchtime, you will easilly spot them by their arrogant look upon the rest of mankind (the hoy polloy), their expensive clothes and fashion accessories. They are also easily pointed out by their traditional way of greeting their peers, by kissing the cheek only once (whereas the majority of Portuguese population is used to kissing both cheeks). Good-looking, well-bred, nicely tanned, they might appear to the inexperienced observer as being all alike...
However, that is not true.

The Beta tribe in Lisbon is essentially made up by three sub-groups:
i.The “Avenidas Novas” Beta Females
ii.The “Oporto Connection” Beta Females
iii.The Cascais Beta Females.

THE AVENIDAS NOVAS BETA FEMALES

This refers to the Beta Females living in the Lisbon burroughs located to the North of Marquês do Pombal Square, notably in Alvalade and the arteries surrounding Avenida da República.
My advice concerning them is: by all means, avoid them! Yes, they do look sexy with a tight suit on. Yes, they have enough looks and brains for you to want to shag them senseless and have an interesting conversation afterwards. BUT, alas, yes you’d probably have to marry them first and be lectured over by their Opus Dei supervisor about the joys and wonders of missionary position before even being allowed to lay a finger on an inch of undisclosed skin in private premises. If you do decide to ignore this piece of advice and if you happen to get lucky and find yourself on the brink of scoring with one of these nice Beta girls, bear in mind that they always live with their parents and with their five brothers and sisters until very late in life.Whatever time of the day you choose, you are bound to find someone at their house, or to be surprised right in the middle of the kinkiest bit by their big brother Bernardo or Duarte bumping into the room. Or by a priest. How’s that for a turn-off?

THE OPORTO CONNECTION BETA FEMALES

A new class is rising and taking over Lisbon: the Beta Females from Oporto. They manage to be even richer and better-bred than their Lisbon-born counterparts, and even more sexually uptight. Honestly, my grandma would look like a Moulin Rouge cabaret dancer compared to them. They don’t even have a funny accent, because Oporto accent tends to clear off as you climb the social hierarchy ladder. Avoid.

THE CASCAIS BETAS

After concluding that the Avenidas Novas Betas, as well as those from Oporto are not even worth a shot, one should ask himself the following question: is there any hope for the Beta Female?
The answer is: yes, there is.
The phrase Cascais Betas refers to Beta Females living in the the municipality of Cascais (and eventually part of Oeiras), along the coast and within a 1,5 quilometer distance from it (those living farther should be regarded as Suburban Females). According to some, this is the actual birthplace of the Beta Tribe!
Cascais Betas tend to follow very different patterns of behaviour from their central Lisbon counterparts.
For one thing, they are usually not catholic, which says a lot about their sexual potential awareness. Even the catholic ones generally display a rather flexible approach to their beliefs (yes, many will fuck on the first date, if not sooner).
Moreover, they are also sassier, more adventurous, better-looking, more fashionable and experienced than others within the Beta Tribe! Yes, we're biased! The catch: generally Cascais Betas are also shallower. But, hell!, do you want to get laid or to get an education???? What kind of nerd is even going to regard that as an issue?

Next week: the suburban and country-side females. Good day, gentlemen.

|

terça-feira, outubro 18, 2005

 

Afinal a gripe das aves pode ser divertida!

.
Passatempo para alegrar a viagem matinal até ao emprego:

Dentro do elevador do prédio onde fica o emprego, quando ele estiver fechado e em plena subida, desatar a tossir convulsamente (sem pôr a mão à frente) enquanto se repete para os companheiros de elevador, horrorizados, "Quem me mandou a mim comer frango??".

É igualmente um óptimo método quando se está no metro apinhado de gente e se quer obter um lugar sentado rapidamente.

|

domingo, outubro 16, 2005

 

Os cromos do Bairro

.
Cada vez mais me convenço de que Lisboa é uma cidade de gente com sérias perturbações mentais.
Já me aconteceu de tudo, desde:
- Sentar-me ao lado de uma velha no autocarro com o cabelo tão oleoso que aquilo espremido daria para fritar batatas e ela, de um momento para o outro, começar a escarrar para o chão (e eu a encolher as pernas para não ser atingido, até porque estava sentado do lado da parede e não havia escapatória possível) e, de repente, virar-se para mim com ar lunático, e falar-me em voz alta, apontando para uma mulher à nossa frente “Está a ver aquela puta?? Está a ver bem? O que ela quer sei eu!!”
- Ser insultado em plena rua, juntamente com colegas do escritório, à hora do almoço, por um homem que de repente parou e resolveu que éramos nós os culpados de todo o mal do mundo.
- Ter um tipo magricelas e com óculos convencido que conseguia assaltar-me a mim e a amigos meus, estado em inferioridade numérica e a cena ser interrompida por um hippy alucinado, que não parava de lhe perguntar se ele achava que Jesus aprovava o que ele estava a fazer.

Mas o cromo deste fim de semana bateu tudo.
Ia com amigos a caminhar, à noite, pelo Bairro Alto (o Bairro Alto é o local da capital com maior concentração de cromos estranhos por metro quadrado, com uma agravante: as suas "vítimas" estão normalmente demasiado bêbedas/demasiado ganzadas para conseguirem reagir com inteligência à situação... Aliás, em raras e geniais ocasiões sucede a vítima transformar-se em cromo, e o cromo afastar-se respeitosamente, por encontrar alguém mais louco que ele), quando uma amiga minha começou a contar a história de um “filme” que tivera naquele exacto local há tempos:
“Veio um agarrado pedir-nos esmola, e às tantas quando vê que nós lhe estávamos a dar para trás, ele diz-nos que passa recibo, e mostra-nos o livro de recibos!”. Entretanto, um tipo negro com um ar alucinado separou-se do seu grupo de amigos e reparámos que caminhava ao nosso lado, ouvindo a conversa.
Quando ela termina a história, ele vira-se para ela e diz: “Sim, mas são todos humanos?”
“O quê??”
“Somos todos humanos, pá, os agarrados também são humanos, merecem o nosso respeito”
“Tu não estás a perceber. Nós não estamos a gozar com o agarrado, a piada da história é ele passar recibo pela esmola, não é por ser um agarrado”
“Está bem, passa recibo, mas isso é o comportamento dele, e deve ser respeitado como humano que é”
Entretanto, toda a gente se juntou ao debate, não só para convencer o homem de que os direitos humanos do agarrado não haviam sido violados, como para prevenir que ele se passasse da cabeça e começasse a aviar tabefes na minha amiga. Passámos vários minutos nesta conversa de loucos, até que o nosso paladino dos agarrados resolveu dar uma corrida para se juntar ao seu grupo de amigos e dexou-nos, por fim, sozinhos, com a sensação de termos entrado por instantes na twilight zone e não nos termos apercebido.

E vocês, têm histórias de cromos de Lisboa (e não só)?

|

terça-feira, outubro 11, 2005

 

Viver no momento e outras banalidades New Age

.
Andava eu pelo Chiado, neste fim de semana, quando me deparei com este fantástico panfleto:

Frente:


Verso:


Deixem-me ver se eu compreendi: a ideia deste workshop é ensinar o público a viver no momento. Em primeiro lugar, é fantástico o facto de a nossa sociedade precisar de um workshop para aprender a viver no momento. Pensava, na minha inocência, que para isso bastava não realizar o oposto, ou seja, não morrer no momento, o que envolve algumas cautelas não despiciendas, como por exemplo não se esquecer de inspirar e expirar pelo menos uma vez a cada dois minutos, não se atirar para a frente dos eléctricos, enfim, cuidados que creio serem relativamente consensuais e sobejamente interiorizados na consciência colectiva, sem que seja necessário um workshop para isso.

Mas, fora isso, o workshop visa ensinar a viver em que momento? Certamente que não o momento presente, porque, segundo o panfleto, a sessão dura das 10 horas às 13 horas, e continua à tarde das 15 horas às 18 horas. Vai um dia inteiro ao ar, um dia que poderia ter sido gasto a viver no momento. O workshop ensina a viver o momento futuro, o que se revela contraditório com o seu auto-proclamado objectivo.

As sessões/livros/cursos/dvds de auto-ajuda fascinam-me. Aproveito para apresentar o novo livro que estou a escrever, "Saiba tudo sobre como rentabilizar o seu tempo ao máximo sem o gastar com banalidades" (volume I), um fantástico livro de 500 páginas e letras miudinhas que irá revolucionar as vossas vidas:



Ficaram curiosos? Nesse caso eu apresento, em primeiríssima mão, aos leitores deste blogue, a primeira página do meu livro:


|

domingo, outubro 09, 2005

 

É sempre a mesma merda, Zé!

.


Depois de ter ido serenamente até à minha secção de voto exercer o meu direito (em Almada, que, para quem não sabe, é um município liderado há mais de vinte anos pela mesma pessoa, do PCP, e pela sua troupe de caciques locais), passei a tarde no Campo Grande, no belo Museu Rafael Bordallo Pinheiro, que recentemente reabriu as suas portas e durante os próximos tempos não cobrará nada aos visitantes.

Rafael Bordallo Pinheiro foi um célebre caricaturista português do século XIX, criador da figura do Zé Povinho, desse Zé conformado, treinador de bancada, que vive queixando-se mas raramente arregaça as mangas para mudar seja o que for. Dizia Bordallo Pinheiro que “Talvez um dia este Zé Povinho mude de vida, e então sim, mudará de nome, passando a chamar-se apenas Povo”. Mal ele sabia que, passado mais de um século, o Zé continuaria igual a si mesmo: bronco, ignorante e bisonho.

Um povo estupidamente adormecido na sua própria indiferença. De vez em quando lá acorda por uns minutos: para fazer o 5 de Outubro, o 25 de Abril, gritar por Timor Leste, para depois voltar novamente para a cama e roncar por mais umas décadas.

E depois a culpa é sempre “deles”. Por “eles” entenda-se os políticos/o sistema/ o capital estrangeiro/ os espanhóis/ os chineses/ os funcionários públicos/ os interesses instalados (escolher a que melhor se aplique às circunstâncias). Pois desiludam-se: a culpa não é “deles”, é nossa. De todos. Cada povo tem os políticos que merece. Cada porco chafurda no seu próprio esterco. Porque os políticos não são diferentes de nós, eles espelham os nossos valores, a nossa cultura, a nossa mentalidadezinha, com a particularidade de terem o poder necessário para darem largas a tudo isso até às últimas consequências. Só um povo de ladrões (ou de gente que compactua com a ladroagem) elege um presidente de câmara ladrão. Só um povo de corruptos (ou de gente que tolera a corrupção) gera um líder corrupto.

O problema dos portugueses é que, em tese geral, têm todos um sentido ético imaculado. Por exemplo, todos são contra as cunhas, compadrios e corrupção em abstracto. Mas quando se trata de pedirem uma cunha para si ou para um familiar, encontram logo mil e uma razões justificativas para a sua própria incoerência moral. Dirão “bom, toda a regra tem a sua excepção e o meu caso é totalmente diferente” ou “no fundo, até é por uma boa causa”. Todos acham que se deve cortar nas despesas em tempo de vacas magras, desde que o corte não passe pelo seu próprio bolso, porque aí já passa a ser uma tremenda injustiça. Pimenta no cú dos outros é refresco. O problema é que as excepções são tantas, e é tanta gente a justificar excepções, que a regra passa a ser letra morta.

Neste momento, é quase certo que Isaltino Morais, Ferreira Torres, Fátima Felgueiras e Valentim Loureiro serão os grandes vencedores. A razão? Sempre o conformismo e a baixa bitola do Zé Povinho: “Roubar, todos roubam. Ao menos elege-se alguém que roube, mas também vá fazendo alguma coisa”. Quando isto é o melhor que se pode dizer de um político, algo vai muito mal com a democracia portuguesa.

Em breve, o mesmo Zé Povinho prepara-se para optar entre duas figuras do passado para conduzir o futuro do País na mais alta magistratura nacional (uma delas, aliás, disse expressamente que estava reformado e jamais se candidataria de novo a um cargo político). Em dez anos, este povinho foi incapaz de gerar caras novas, gente de mérito disposta a prestar um serviço à Nação. A culpa não é deles. É da debochada Pátria que os pariu a todos. É de todos nós enquanto Povo, e de todos nós enquanto indivíduos, porque não temos feito o suficiente, com a nossa conduta pessoal, para sermos factores de mudança para a mentalidade colectiva.

No meio de tudo isto, safa-se o Rafael Bordallo Pinheiro. Visitem o museu, é à borla e fica no Campo Grande, n.º 382. Vale a pena, quanto mais não seja, para rir dos vícios de ontem e de hoje deste nosso Zé Povinho.


|

terça-feira, outubro 04, 2005

 

Porque odeio o informático do escritório

..
A minha conversa com o informático do escritório - que tem acesso aos computadores do pessoal -, esta tarde.

INFORMÁTICO: Olhe, Pombo, queria avisá-lo quanto a uma página que visitou...

POMBO (sentindo suores frios): Olhe Rudolfo, antes que diga seja o que for, se é por causa do "Ratinhas Gulosas XXX", devo dizer-lhe que sou um grande entusiasta da criação de hamsters...

INFORMÁTICO: Não, não, o que queria mesmo avisá-lo era que...

POMBO (começando a entrar em pânico): Queria então apenas frisar que as minhas visitas aos sites "Cannabis Homegrow Haven" e aos seedbanks de Amesterdão devem-se ao meu profundo interesse pela horticultura em geral. Se vir bem, também deve reparar que entrei no site da Associação de Plantadores de Girassóis do Alto Tâmega... Gosto muito da agricultura e de fazer... O que quer que seja que os agricultores fazem!

INFORMÁTICO: Hummm, não, é que...

POMBO: Então o que é?? Pare de fazer esse maldito jogo psicológico!!

INFORMÁTICO: Ia apenas pedir-lhe para evitar ficar mais tempo que o estritamente necessário ligado ao site da Direcção Geral de Transportes Terrestres porque gera sobrecarga no sistema.

POMBO: ...

|

domingo, outubro 02, 2005

 

Filosofias de urinol (porque nunca se deve dizer "desta água não beberei")

.
Quantas gargalhadas pode um homem dar enquanto urina, conseguindo manter a trajectória direita?

Não, não tive um ataque de risos com aqueles posters com piadas secas que colocam nas casas de banho das discotecas. Essas são perfeitamente user-friendly, na medida em que apenas retiram ao utilizador, quando muito, um esgar meio sorridente.

O que deveria ser proibido é terem um aviso, como o que vi esta tarde no bar "O Moínho", na praia de Carcavelos (o das espreguiçadeiras, para quem conhece), mesmo por cima do urinol:

"Não beba desta água. Pode estar imprópria para consumo humano."

É um aviso fantástico. Em primeiro lugar, porque caso ele não existisse, eu poderia ver-me tentado a saciar a minha sede lambendo a porcelana do urinol enquanto puxo o autoclimo.

Mas não é só isso...

"Pode estar imprópria"?! Haverá situações em que é perfeitamente aceitável e até bom para certas maleitas (quiçá para as pedras nos rins) enfiar a cabeça no urinol e beber?

"Para consumo humano", ou seja, um cão sobredotado que consiga ler o aviso, reconhecendo a sua pertença à espécie dos canídeos, saberá que ali é um bom sítio para beber água. Quanto aos comuns animais irracionais e iletrados, mesmo que se empoleirem no urinol e bebam, não há problema, porque afinal de contas, apenas para os humanos aquela água poderá não ser a mais adequada.

Ficam estes pensamentos para reflectir ao longo da semana. Se forem ao dito bar, levem uma máquina fotográfica, por favor.

|

This page is powered by Blogger. Isn't yours?