sexta-feira, outubro 29, 2004

 

Como se mata um yuppy

Como a Piriquita anda desaparecida, tendo deixado a meio a sua novela de cordel, decidi criar a minha própria. Um enredo alucinante de sexo, homicídio, conspiração e poder, que vai pôr Portugal a olhar para trás por cima do ombro, ao caminhar na rua!
Os leitores são encorajados (COAGIDOS) a propor um título melhor para esta saga.


Sábado de manhã. O escritório vazio. Apenas uma recepcionista estava de serviço por detrás do balcão do lobby de entrada em mármore reluzente da Seymour Deek, empresa de consultoria financeira.
Tocou o telefone… Do outro lado, uma voz de homem asiático de certa idade.
“Seymour Deek Consulting, boa tarde, aqui fala a Zélia.”
“I beg your pardon?”
“Seymour Deek here”
“I must have dialed the wrong number... I was trying to call a tax consultancy firm.”
“You got the right number. Seymour Deek Consulting!”
“I don`t wanna see no dick! I am here to discuss business!”
“That`s what we are here for! Once you get to Seymour Deek, you`ll see we take our business seriously!”
“Fuck you! I`ve never been so insulted in my life!”
Ela desligou o telefone e regressou ao seu jogo de paciências no Windows. “Há com cada maluco!”, pensou. O telefone tocou de novo. Ela limitou-se a ignorá-lo. Estava decidida a não atender mais chamadas. “É sábado! Esta gente não tem vida própria??”. O telefone continuou a tocar até ao meio-dia, hora em que terminou o seu turno e aconselhou à colega que a rendeu a não o atender, por ser um “chinoca com uma mente pervertida”.

Meia-hora antes, algures na serra de Sintra, dois ambiciosos contratados da Seymour Deek caminhavam silenciosamente pela floresta, vestindo fatos camuflados e de arma em riste.
Ouve-se um deles: “Isto sim, é um desporto de machos! Um grupo de homens, a rebolar juntos pela caruma, tentando sujar a roupa dos outros! Eu adoro estas manhãs de paintball!”
O outro estremece e afasta-se do companheiro, enojado, desconfiando estar perante uma pré-investida homossexual.
De repente, os dois detectam um movimento num arbusto.
“Xiiiu! Deve ser o Lourenço! Quando eu disser 3 atiramos. Um. Dois… “
Os dois dispararam contra os arbustos uma saraivada de bolas de tinta rosa. “Lourenço, estás morto!!”, gritou um deles.

Quando se aproximaram para ver, estava mesmo.

Lourenço estava estendido no chão, de olhos abertos e sem vida. Sete manchas cor-de-rosa na roupa e um buraco de bala na testa. “É um ramo fodido!”, pensaram.
Logo um deles tratou do mais importante: marcou no telemóvel o número do escritório, para cancelar a reunião que Lourenço teria na segunda-feira com os tipos de Madagáscar e para reclamar para si o gabinete de Lourenço (Regra nº 1 das sucessões mortis causa nas consultoras: o gabinete do de cujus, e respectivo recheio, transmite-se para o primeiro que o encontrar morto desde que reclame o seu direito). Como a Zélia não atendia, resolveram ligar para a polícia, a pedir que passasse um carro-patrulha pelo escritório para avisar do cancelamento da reunião e assegurarem a alteração do nome na porta do antigo gabinete do falecido.

Quem matou Lourenço, jovem yuppy em ascensão de carreira?? Não percam a continuação na próxima semana!

CONTINUA…

|

quinta-feira, outubro 28, 2004

 

Diário da República "Green" (?!)

.

"Despacho Normativo n.º 43/2004 [publicado no Diário da República de ontem]

Presidência do Conselho de Ministros

Considerando que a Resolução do Conselho de Ministros n.º 30/90, de 16 de Agosto, institui o Dia Nacional da Desburocratização, (...) Considerando que a Imprensa Nacional-Casa da Moeda, S. A., pretende associar-se àquele evento, imprimindo o Diário da República desse dia em cor diferente da habitual (...) Determina-se o seguinte: A Imprensa Nacional-Casa da Moeda, S. A., é autorizada a publicar o Diário da República de 28 de Outubro em papel especial de cor verde. [!!!!]"

Presidência do Conselho de Ministros, 14 de Outubro de 2004. (...) "


Parceria com a SUPER BOCK? Mensagem subliminar de solidariedade com José Peseiro?

Pelos vistos, eu e a Piriquita não somos os únicos que já andamos a treinar para o CANNABIS CUP AMSTERDAM (v. o post de dia 27)!!


|  

Um dia que ficará para sempre na memória dos homens e dos frangos

.
Já passa da meia-noite...

PARABÉNS, FRANGOS!!!!



O Pombo Incontinente & Piriquita Indigente tem o prazer de ser o primeiro blogue a associar-se oficialmente às comemorações do 1º aniversário dessa grande Meca Espiritual, Churrascaria do Pensamento Pós-Moderno que é o Frangos Para Fora.

Que continuem por muitos e longos anos a epopeia depenada e a servir de inspiração para este blogue imberbe que nós continuaremos a virar o frango e a espalhar a semente!

|

terça-feira, outubro 26, 2004

 

Mulheres ao poder (be afraid, be very afraid!)

.
No outro dia, ao ver um grande prémio de fórmula um fiquei a pensar em como as competições automobilísticas seriam bem diferentes caso fosse permitido aos pilotos fazerem-se acompanhar das respectivas esposas ou namoradas.

Ora vejam:

(Schumacher ultrapassa um adversário a 250 à hora)
SRA. SCHUMACHER: Olha lá, tu tens mesmo que andar a esta velocidade?

MICHAEL SCHUMACHER: Querida, estamos numa corrida, é assim que as coisas se fazem.

SRA. SCHUMACHER: Humpf!

(passados dois minutos)
SRA. SCHUMACHER: Michael, tu és doido?? Porque é que não abrandas um bocado para fazer esta curva perigosa?

MICHAEL SCHUMACHER: Porra, pá! Não consegues estar um minuto calada? Preciso de ganhar esta merda, compreendes?

SRA. SCHUMACHER: Sempre a mesma desculpa! Ganhar, ganhar, ganhar! Sabes que há mais coisas na vida para além de chegar em primeiro! Vá, reduz lá para 70, porque esta velocidade está-me a deformar o silicone das mamas. Fiz os implantes ontem, porra!
(Schumacher reduz a velocidade, contrafeito)

SRA. SCHUMACHER: Olha ali o Rubens, vês como ele é um condutor ordeiro? Ele sim, vai com toda a segurança a 50 km/h! Ultrapassa-os pela direita para eu dizer adeus à Marta Barricchelo e para que ela veja as minhas mamas novas! Iuuuuhuuu! `Miga, depois disto vamos às compras, não vamos? Michael, estás de novo a esticar-te, olha que eu avisei!...


|

sábado, outubro 23, 2004

 

Maria João & Mário Laginha – a irritar-me desde 1998

.


Ok, este é realmente um caso de sucesso, admito-o. Aguento com razoável estoicismo as pantomínias do top ten estival para consumo de pitas florescentes das docas, mas a Maria João e o Mário Laginha é que não! É mais forte que eu!

Peguem num dos maiores pianista jazz portugueses da actualidade, e coloquem-no sabe-Deus-porquê subjugado aos caprichos duma cantora medíocre sem ter onde cair morta, e temos um fantástico “projecto” (porque hoje em dia não se formam bandas, formam-se projectos musicais, que estão para as bandas como a união de facto está para o casamento) de World Music.

Só a expressão “world music” é algo do qual se deve desconfiar. O que raio é a “música do mundo”?? Basicamente consiste numa amálgama incoerente de ritmos e letras de países exóticos do 3º mundo interpretados por brancos ocidentais e citadinos, para que um público de outros brancos citadinos possam sentir-se imensamente cosmopolitas e eruditos ao ouvirem-na tocar no seu lounge de eleição. Não vale a pena tentar fazê-los ver o absurdo da coisa, pois limitar-se-ão a olhar-vos com o seu melhor ar condescendente de branco-citadino-que-aceita-opiniões-diferentes-desde-que-igualmente-banais e dir-vos-ão que não conseguem captar a essência da coisa.

Eu digo-vos a essência da coisa: consiste em ganhar dinheiro à custa desses tóinos sem o mínimo de cultura musical, que papam tudo aquilo que pareça vagamente "alternativo"!
E há até quem tente a todo o custo fazê-lo passar por uma corrente de jazz, mas não se deixem enganar: o único ponto de contacto entre a world music e o jazz é que aquela é quase sempre interpretada por ex-músicos de jazz que, frustrados pela indiferença dos seus pares, se viram para os tais yuppies dos lounges, muito mais fáceis de contentar!

Tudo isto para dizer que saiu o novo álbum da Maria João & Mário Laginha, intitulado "Tralha", fazendo uma vez mais justiça à sua tradição de letras dignas dos devaneios desconexos, por entre duas fiadas de baba, dum highschool drop-out de Alcabideche com uma pedrada de haxixe.

Como se não bastasse, uma das canções é cantada numa língua inventada por Maria João (segundo o depoimento da própria), o que me leva a temer que com base nesse indício ela seja absolvida dos crimes musicais, por ser considerada inimputável em virtude de esquizofrenia ou possessão pelo espírito de um babuíno morto.


|

sexta-feira, outubro 22, 2004

 

Grande patrocínio!

.

"O Campeonato Nacional de Surf não poderia acontecer sem a ajuda dos patrocinadores: Nokia, Red Bull, Discoteca People, Eastpak e Suzuki e os apoios Triudus, Scott, Buondi, Panrico, PlayStation2, Haliotis, Lays, Yoggi e 7Up. Para esta etapa, cona ainda com o apoio da Câmara Municipal de Cascais."

(negrito nosso)

Que simpática, a Câmara de Cascais, por providenciar às necessidades do pessoal...


(Nota: Hoje - dia 25 - reparei que o site da Federação Portuguesa de Surf infelizmente emendou a notícia... Rotos!!!)

|

quinta-feira, outubro 21, 2004

 

Operação Outono-Inverno

.
Quem me conhece sabe que encaro as inevitáveis idas às compras como um membro da Delta Force enfrenta uma incursão nos territórios para lá das linhas inimigas: rapidez, eficácia e planeamento prévio! IR ÀS COMPRAS (maxime, de roupa) NÃO É UM PASSATEMPO, É UMA FATALIDADE DA VIDA COMO OS EXAMES DA PRÓSTATA. Ambas se querem rápidas e indolores.
Assim, deixo aos meus leitores (e sobretudo às minhas leitoras) o exemplo de como as coisas se fazem com profissionalismo e eficiência. A minha última visita a um centro comercial:

----------------------------------------------------------------------------------------------
Boa tarde, agente Pombo. Espero que esteja preparado para a sua nova missão:


OPERAÇÃO OUTONO-INVERNO


Operação muito perigosa. Tenha cuidado. Terá ao seu dispor um automóvel (o Pombomobile) para a deslocação e fuga. Uma carteira com dinheiro para os gastos, um passaporte falso com a sua nova identidade de Vincent Fanucchi, juntamente com os comprimidos de cianeto para o caso de fracasso.

A sua Missão:

Às 13:30 penetrará pela entrada sul no parque de estacionamento do complexo comercial conhecido como Almada Fórum, onde deixará o automóvel tão próximo quanto possível das escadas, para facilitar a fuga.

Exactamente às 13:35 estará à porta de uma das lojas de roupa espanholas existentes no local.
Aí, terá que localizar umas calças que lhe sirvam, e neutralizar aquelas cujo preço for mais apelativo.

Às 13:45 entrará discretamente no provador de roupa e colocará as calças no seu próprio corpo para se certificar que as medidas conferem.
De seguida, levará o item escolhido e terá que detectar o seu contacto na loja, o “rapaz da caixa registadora”. Não lhe será difícil localizá-lo, dado que ele se encontrará atrás de uma caixa registadora. Ele é um dos nossos, e bastará que se dirija a ele e lhe entregue as calças, pronunciando a senha “Levo estas” e ele saberá o que fazer. Você entregar-lhe-á o dinheiro das calças e ele devolvê-las-á dentro dum saco, com um talão, para que o inimigo não desconfie.

Concluída a transacção, dirija-se apressada, mas discretamente de volta para o parque de estacionamento, certificando-se que ninguém o segue. Não pare para olhar para nada, muito menos para montras, um pequeno momento de distracção pode comprometer o sucesso da sua missão!

Às 13:55 deverá entrar no automóvel com a mercadoria, e abandonar imediatamente as instalações do Almada Fórum.

Como de costume, esta mensagem autodestruir-se-á em 5 segundos.
Boa sorte, Agente Pombo!

|

terça-feira, outubro 19, 2004

 

"Aldeia de Deus" - Astérix Revisited

.
Eis toda a verdade (o que sempre quiseram saber e nunca tiveram coragem de perguntar) sobre os vossos heróis de infância:

ASTERIX é a trilogia sanguinária de um grupo de membros da minoria étnica dos gauleses, vivendo num violento enclave conhecido como “a aldeia dos gauleses” ou "Zona G". A sua terra é cercada pelos colonatos romanos de Aqvarivm, Babaorvm, Lavdanvm e Petibonvm, uma convivência raramente pacífica, pois ambos os lados entendem que aquela terra lhes pertence.



Os sangrentos ataques levados a cabo pelas Brigadas dos Mártires da Jihad de Tutatis-akbar, grupo terrorista de fundamentalistas pagãos, sucedem-se, perante a incapacidade das forças romanas em assegurar a segurança dos seus interesses na região.



É claro que a vida não é fácil no violento ghetto dos gauleses. A exclusão social e xenofobia de que são alvo levou-os a uma vida à margem da lei, onde a droga, a prostituição e a criminalidade organizada imperam.

Todos os habitantes da Zona G, sem excepção, são toxicodependentes. O negócio da droga na aldeia é controlado com pulso de ferro por um antigo funcionário do Instituto da Farmácia e do Medicamento romano, um druida chamado Panoramix, conhecido como Big P. pelos drogados locais. No seu caldeirão fabrica um estupefaciente caseiro que é administrado por via intravenosa, à base de várias plantas ilícitas constantes da tabela V da Lei Romana das Drogas, que ele obtém graças a plantações escondidas na floresta.



Esta droga, conhecida como “poção mágica”, pela potência da moca que dá, provoca profunda viciação psicológica e física, e dá aos seus consumidores uma força sobre-humana quando se encontram a ressacar, tornando-os capazes de tudo para conseguir mais uma dose.



|

sexta-feira, outubro 15, 2004

 

Introdução à vida académica III - Escape from Alcatraz!

.
Casa Mortuária, Bordel do Conhecimento, Ministério da Lavagem Cerebral, Bunker de Hitler, Masmorra Cinzenta, Fortaleza dos Soluços, Inferno-com-tecto-falso, Santo Ofício, Covil, Ala dos Condenados, Seminário Satânico. O que têm todos estes nomes em comum? Todos eles foram ao longo do tempo usados como eufemismo para Faculdade de Direito de Lisboa. Ela é tudo isso, e também um lar.

Assim, para assinalar o meu último ano de estudante, que melhor forma de honrar aquela grande alma mater e ao mesmo tempo invocar as recordações mais gratas que levarei comigo?...

Se a vossa resposta foi "criando um conjunto de 10 bases para copos, feitas em latex da mais alta qualidade, que irão para os 10 primeiros que comentarem", ACERTARAM!

Posted by Hello



(Disponível em preto e branco ou a cores. O design do logo foi gamado do site da FDL. Por €852 por ano em propinas, já era tempo de poder ter algo de borla)


|

quarta-feira, outubro 13, 2004

 

Tóino a bordo

.
Se há pessoas que não compreendo, são aqueles pais que fazem questão em colocar no vidro traseiro do automóvel autocolantes a dizer “BEBÉ A BORDO”.

Mas para que serve isso? Por uma questão de segurança, ou simplesmente de afirmação pessoal, do género “No liceu o meu momento mais erótico foi roçar-me contra o mesmo banco onde esteve sentada a Gisela, a gaja mais popular do curso, mas apesar disso, ainda tenho alguns truques na manga e sou suficientemente macho para emprenhar uma mulher e tudo!”?

Se a vossa resposta foi “questões de segurança”, lamento dizer-vos que estão ERRADOS!
Imaginem que um tipo bêbedo vai num carro desgovernado a 220 à hora em trajectória de colisão com o carro da frente. Acham mesmo que o condutor, na ínfima fracção de milésimas de segundo antes do choque, vai conseguir ler o autocolante, pensar “Oh não! Há um bebé inocente a bordo, tenho que ter cuidado!” e, no último momento, guinar o volante para o lado e puxar o travão de mão de forma a precipitar-se num precipício para não molestar o bebé?

Se formos para a segunda razão, ou seja, afirmação pessoal, poderiamos dizer que a única razão aparentemente racional para um tipo andar com um autocolante a dizer “BEBÉ A BORDO” no carro é engatar mulheres. Sim, é verdade, elas têm uma estranha afeição por homens com um lado protector e sensível—é a mesma razão que leva um tipo que não gosta de cães a pedir emprestado o golden retriever de poucos meses à prima para o ir passear para a praia de Carcavelos ao fim da tarde.
Mas neste caso, das duas uma:
- ou o carro é uma bomba a transbordar cavalos pelo capot, e aí será só por si atractivo para o género feminino;
- ou então é um chaço velho, e nesse caso não será o “Bebé a bordo” que salvará o nosso homem do insucesso sexual—pode até ter efeito contrário, pois ninguém quer partilhar os dramas de um tipo que além de já ser pai, também é pobre!

Portanto, meus amigos, se por alguma estranha razão que terá escapado a Darwin alguma vez se virem na posição de Macho Alfa e, na euforia de poderem perpetuar os vossos genes na geração seguinte em virtude dum acasalamento bem sucedido, sentirem uma vontade incontrolável de colocar no carro um autocolante “BEBÉ A BORDO”, imprimam este outro que vos deixo abaixo e colem-no também.

Posted by Hello



|

segunda-feira, outubro 11, 2004

 

Puting the "lies" into "allies"

.
Posted by Hello

.
BUSH: Hey kid, what`s up?

SANTANA: Nothing, man... Just watchin` tv, havin` brews, re-establishing censorship, keepin` abortion ships at bay, ya know the usual...

BUSH: Yeah, true... Look, I`m kinda busy here right now, ya know, all that Kerry stuff - I like his wife`s ketchup though - and I`m discussing some issues with the President of Nicaragua...

PRESIDENTE DA GUATEMALA: Guatemala!

BUSH: Yeah, whatever. Just tell me, did you do as I told and stole the ballot?

SANTANA: Hell no! Didn`t you hear? I didn`t even need any ballot at all! I just skipped the dull election part and got nominated for office!

BUSH: Wow, now that`s extreme! Tell me more, tell me more!

PRESIDENTE DA GUATEMALA: Err, Mr. President, what about those special development loans for miserable-and-somewhat-undemocratic-yet-friendly countries?

BUSH: Shut the fuck up, for God`s sake! Don`t ya see I`m busy discussing a new useful election method with the prime minister of Guatemala??

SANTANA: You mean Portugal, sir.

BUSH: Yeah, wathever. Let me tell ya something, "Santa", you and I are gonna get along just fine!


|

sábado, outubro 09, 2004

 

Paneleirices

.
Vários elementos da comunidade gay declararam-se ofendidos por José Castelo Branco ter gritado irritadamente, em directo "Eu não sou paneleiro!!".

Face às críticas, Zé, lembrando subitamente que é politicamente incorrecto a uma personagem VIP (Very Inadequate Person) referir-se com desdém aos "indivíduos de opção sexual alternativa vítimas da descriminação duma sociedade retrógada escrava do paradigma sexista tradicional", veio rectificar: "Bom, eu não sou paneleiro, mas tenho o maior respeito pelos rabetas, travecas, mariconsos, cagas-pra-dentro, abafa-palhinhas, bichonas e demais panilas."

Confrontado com mais críticas, Zé condescendeu: "Pronto, admito: eu não sou paneleiro, mas não só respeito como gostava muito de sê-lo. Alguém estará disposto a ensinar-me?"

Agora a sério: pronto, Zé, se tu dizes que não és, é porque não és. Não se fala mais nisso. És apenas um ex-travesti, sem pêlos corporais conhecidos, com uma estranha preferência por lantejoulas e que se auto-intitula "marchand de arte", logo, perfeitamente normal no quadro heterossexual do macho lusitano.

|

sexta-feira, outubro 08, 2004

 

PI&PI - um blogue com contraditório!

.

Face às criticas do Ministro da Propaganda e Higiene Mental dirigidas contra a falta de contraditório nas análises políticas, os autores do blogue Pombo Incontinente & Piriquita Indigente, sentindo que lhes calha a carapuça, e aterrorizados face à ideia de serem afastados deste espaço, apresentam o seu novo elemento: o Contraditório! Zé Manel Contraditório* é o heterónimo surgido exclusivamente para nos impedir de veicular mentiras e acusações descaradas com a "cara-podre" que é nosso apanágio.

Mas vamos lá ao post, e ia falar sobre as relações da mediacapital com o executivo…

Contraditório: Alto lá! Julgava que me enganava, não era? Pois eu cá não concordo com aquilo que está a dizer!

Bom, ok… Prémio Nobel da Literatura atribuído a uma estranha mulher que recusou ir recebê-lo por sofrer de uma “fobia social”. Sucede que…

Contraditório: Eu não concordo!

Não concorda com o quê?

Contraditório: Com isso que disse!

Mas eu ainda não disse nada…

Contraditório: Pois, não diz nada, não é? O seu silêncio é ensurdecedor, é o silêncio de um hipócrita, de um pombo cagão com uma agenda escondida…

Deixa-me terminar a merda do post ou não??

Contraditório: Vamos lá, mas com juizinho… Nada de acusações infundadas.

Bom, está bem... Que hei-de dizer?... Está um belo dia, não está? Mais frio, mas ainda assim bonito...

Contraditório: O que é que está a querer insinuar com essa do "mais frio"? O Governo do Dr. Santana Lopes não teve qualquer tipo de intervenção directa ou indirecta nesse facto!

(suspiro)


*Escusado será dizer que o blogue mudará de nome para Pombo Incontinente, Piriquita Indigente & Contraditório)


|

quinta-feira, outubro 07, 2004

 

Estamos de luto!

.
.



|

terça-feira, outubro 05, 2004

 

Introdução à Vida Académica II - "democracy...you gotta love it!"

.
.

ESTUDANTE 1: Gostaria de interpelar a Mesa desta Reunião Geral de Alunos para, dado o especial melindre desta matéria, a votação ser efectuada mediante voto secreto!

ESTUDANTE 2: Desculpem lá, mas isso é inaceitável! A transparência e auto-responsabilização dos elementos desta assembleia pelas escolhas por si assumidas ditam que se proceda ao voto pela via normal, através do número de levantados e sentados.

ESTUDANTE 1: Desculpa lá, ó colega, então nesse caso porque não ser esta assembleia a deliberar como proceder ao voto da matéria proposta? Esta RGA que escolha o método de voto, mediante votação secreta!

ESTUDANTE 2: Uma vez mais, a vossa demagogia não tem limites! Sou da convicção que a votação referente à escolha do método de voto pelo qual será submetida à apreciação a matéria em análise deverá ser por levantados e sentados!

ESTUDANTE 1: Meu caro, não acredito que esta assembleia te acompanhe nos teus devaneios. E para prová-lo, porque não submeter à votação desta RGA, mediante voto secreto, a forma de voto destinada à aprovação da deliberação que fixará a forma de voto da matéria submetida à apreciação, para podermos por fim proceder à votação da matéria em causa?

PRESIDENTE DA MESA: Foda-se, pá!! Estamos nesta merda de anfiteatro há sete horas, e a única coisa que neste momento vos é pedida é que digam se querem que encomendemos pizzas marguerita ou napolitana!!!!


|

domingo, outubro 03, 2004

 

Introdução à vida académica I - O desporto-rei

.
.
COMENTADOR 1: Ele entra no pequeno anfiteatro, pega nas suas coisas, cumprimenta os apoiantes no primeiro anel. Vira-se para o júri, ajeita os óculos… Meu Deus, mas é um profissional, senhoras e senhores!

COMENTADOR 2: É verdade, Zé Alberto, ele nunca usa óculos no dia-a-dia, mas trá-los sempre para as orais para intimidar o júri com o seu ar intelectual!

COMENTADOR 1: No auditório vêem-se faixas vermelhas e negras dizendo “Pombo Ultras –Odivelas” e coisas do género.
O regente pergunta se quer começar por alguma parte em especial, ele diz que sim: o jus nubendi do transexual. E começa a oral!!

COMENTADOR 2: E eis que fechou a banca das apostas. Este desafio estava classificado como 1/7, e há muito dinheiro envolvido!

COMENTADOR 1: A claque entoa “Pombo Allez”, o Pombo fala, e fala, e fala. A coisa corre bem, o regente pede licença para atender o telemóvel e fá-lo sem sair do seu lugar de forma a que toda a sala fica a saber que tem consulta marcada no médico por causa das hemorróidas! Descreve por fim um movimento ascendente-descendente com o braço, por debaixo da mesa, que indicia comichão nos testículos. Vem a primeira leva de perguntas. Pombo, em um para um, finta o regente. A multidão rebenta em aplausos ensurdecedores! “Pombo, glorioso, connosco tu vais vencer, allez, Pombo, sou pombista até morreeeer!” ouve-se das bancadas. Um very light despedaça-se contra o quadro de ardósia.

COMENTADOR 2: O Pombo teve uma época de Julho verdadeiramente decepcionante e agora, com os novos reforços, terá que vencer hoje, caso contrário ficará em situação difícil no que diz respeito ao apuramento para a fase final...

COMENTADOR 1: Desculpa interromper-te, mas eis que o regente se defende com um golpe baixo, afirmando não perceber o que Pombo quis dizer. Pombo vacila, desconfiado, eis que se encontra em dificuldades em penetrar na linha defensiva adversária! Que golpe rude, senhoras e senhores! O regente atira com a doutrina dum gajo alemão do século XIX e pergunta ao Pombo se conhece as especificidades da regulamentação do divórcio na Papua Nova Guiné!
Ouvem-se assobios, das bancadas gritam “filho da puta!!”, voa um objecto—parece uma lata de refrigerante!—que atinge o regente na cabeça! Oral interrompida, o regente limpa o sangue da testa com um lenço e tira da mala o seu capacete BastardWear para poder prosseguir a oral. As bancadas gozam-no, gritam “PAAA NEEE LEIROOOO!!”

COMENTADOR 2: É inacreditável, o Pombo tem que virar-se para trás para acalmar os seus adeptos!

COMENTADOR 1: A oral continua, Pombo visivelmente cansado, mas mantendo uma dinâmica de contra-ataque. Os adeptos estão nervosos, perguntam “Mas quando é que esta merda acaba??”
E acabou! O regente olhou para o relógio e proferiu as palavras sacramentais “Terminou a sua oral”!
As claques levantam-se das bancadas e invadem o anfiteatro. Alguns elementos visivelmente embriagados espalham agora o caos no corredor da faculdade, regando com querosene e pegando fogo a cadeiras e docentes!
O grosso dos apoiantes atravessa o jardim da cidade universitária, escoltados pela polícia de intervenção, levando o Pombo em ombros em direcção ao snack bar O Mocho, pois já são 3 da tarde e há imperial a 50 cêntimos até às sete!

E foi mais uma oral empolgante, transmitida em primeira mão pelo blogue Pombo Incontinente & Piriquita Indigente!


|

This page is powered by Blogger. Isn't yours?